quinta-feira, dezembro 20, 2007 | Autor: Ebenézer Teles Borges
À guisa de introdução, considere as "pegadinhas com pontuação" apresentadas abaixo.

1. Pontue as duas frases abaixo e descubra o siginficado de cada uma delas.

  1. Um fazendeiro tinha um bezerro e a mãe do fazendeiro era também o pai do bezerro.
  2. Maria toma banho porque sua mãe diz ela traga a toalha.

2. Pontue a frase abaixo de duas maneiras distintas para obter resultados diferentes.

  1. Carolina nossa secretária comprou um automóvel.
  2. Carolina nossa secretária comprou um automóvel.

3. Novamente: Pontue a frase abaixo de duas maneiras diferentes para obter resultados antagônicos.

  1. Irás voltarás não morreras.
  2. Irás voltarás não morreras.
Antes de apresentar a pontuação correta das questões acima, vamos refletir um pouco sobre o título desse artigo: "O Sentido do Texto".

A palavra "sentido" pode assumir significados diferentes (veja alguns
aqui). Neste artigo, emprego-a como "aquilo que uma palavra ou frase pode significar num contexto determinado"[1]. Sentido aqui, portanto, implica em significado. Já a palavra "texto" refere-se, neste contexto, a um conjunto de palavras organizadas de modo a transmitir uma idéia. "Idéia", por sua vez, é a representação mental de alguma coisa concreta ou abstrata.

Não sei se me fiz claro o bastante... Vou tentar novamente. A coisa funciona mais ou menos assim:
  1. Primeiramente, tenho uma idéia;

  2. Em seguida, tento reproduzir essa idéia por meio de palavras. Palavras são "símbolos", isto é, algo usado para representar outra coisa. A palavra "fogo", por exemplo, evoca à mente um determinado fenômeno de natureza abrasiva. Posso, contudo, escrevê-la num papel e tocá-la sem medo de me queimar, isto porque a palavra "fogo" é um símbolo e, portanto, não possui a capacidade de entrar em combustão. De igual modo, as palavras que uso para representar a "minha idéia" não se constituem na idéia em si. São uma tentativa de revelá-las, uma aproximação simbólica daquilo que de fato é, em minha mente.

  3. Por fim, o conjunto de palavras usadas para descrever a "minha idéia" compõe um texto.

Com o texto pronto e publicado, entra em cena um outro ator – o Leitor. O leitor é aquele garimpeiro que explora o texto e percorre as palavras em busca de sentido. Mas será ele capaz de encontrar o "sentido original" - a minha idéia - que fomentou a elaboração do texto?

Ao considerar as três pegadinhas acima, noto que, se eu, enquanto escritor, cometo deslizes na aplicação da pontuação, meu texto se mostrará desprovido de sentido para o leitor. Vejo aqui uma relação direta de causa e efeito entre escrever com pontuação adequada e a absorção do sentido por parte do leitor.

Retornemos agora às pegadinhas propostas acima:
  1. Solução da primeira pegadinha:

    • Um fazendeiro tinha um bezerro e a mãe. Do fazendeiro era também o pai do bezerro.
    • Maria toma banho porque sua. Mãe, diz ela, traga a toalha.

  2. Na segunda pegadinha observamos que uma mesma frase, pontuada de forma diferente, assume significados diferentes:

    • Carolina, nossa secretária, comprou um automóvel.
    • Carolina, nossa secretária comprou um automóvel.

  3. Na última pegadinha, a pontuação não só altera o significado como conduz a conclusões opostas. Observe:

    • Irás. Voltarás. Não morrerás.
    • Irás. Voltarás? Não. Morrerás.
Ficam aqui registradas algumas outras questão importantes a serem consideradas:

  • A pontuação adequada é garantia suficiente de que o "sentido original" do texto será recuperado?
  • Existe algum tipo de "DNA" no texto que possa ser decifrado com segurança, viabilizando assim o resgate do significado original?
  • O sentido do texto está no próprio texto?

Referências Bibliográficas:

[1] Houaiss, verbete "sentido" - http://houaiss.uol.com.br/busca.jhtm?verbete=sentido&stype=k
[2] Michaelis, verbete "sentido" - http://michaelis.uol.com.br/moderno/portugues/index.php?lingua=portugues-portugues&palavra=sentido
Acompanhe as postagens desse blog por meio de RSS 2.0 feed. Você pode deixar uma resposta ou comentário de seu próprio site.

6 comentários:

On 15 de setembro de 2009 21:06 , Web Pegadinhas disse...

Tente fazer esse:
Como comes como como como como comes

 
On 15 de setembro de 2009 21:09 , Web Pegadinhas disse...

Ou esse:
Antes de morrer, um cara não pontuou o textamanto:
Deixarei meus bens a minha irmã não ao meu sobrinho jamais ao mordomo

Bens para a Irmã:
Bens para o Sobrinho:
Bens para o Mordomo:

 
On 15 de setembro de 2009 21:13 , Web Pegadinhas disse...

Respostas:
1 - Como comes?, como?, como?, como?. Como Comes?.
2 - Irmã: Deixarei meus bens a minha irmã, não ao meu sobrinho, jamais ao mordomo.
Sobrinho: Deixarei meus bens a minha irmã não, ao meu sobrinho. Jamais ao mordomo.
Mordomo:Deixarei meus bens a minha irmã não, ao meu sobrinho jamais, ao mordomo

 
On 15 de setembro de 2009 21:14 , Ebenézer Teles Borges disse...

Cara odeio pegadinhas, que que eu faço aqui??????????????????????????????

 
On 13 de outubro de 2009 21:38 , Anônimo disse...

UM FAZENDEIRO TINHA UM BEZERRO E A MÃE DO FAZENDEIRO ERA TAMBÉM O PAI DO BEZERRO

 
On 24 de maio de 2012 22:37 , Anônimo disse...

Adorei!!!

 
Related Posts with Thumbnails