sábado, dezembro 29, 2007 | Autor: Ebenézer Teles Borges
Parece-me que foi ontem! Chovia em São Paulo. Eu me espremia, molhado, na Av. Paulista, com outras quinze mil pessoas, para a largada da São Silvestre. O clima era de festa. Euforia impregnava o ar. Algazarra. Agitação. Vibração contagiante.

Véspera de ano novo é sempre assim, mesmo sem sol, brilha na alma a luz da esperança. Como preciso de esperança! Alimento-me de esperança. Sem ela é difícil, senão impossível, encarar a vida e seguir em frente. Dela se nutrem os meus sonhos, nela se sustenta a minha fé, revigoram-se os desejos profundos do coração, as ambições secretas da alma, as aspirações sem preço que teimam em continuar vivas.


Chovia em São Paulo na véspera de ano novo. 2006 se despedia em pranto. Céu cinzento, nuvens escuras, sol ausente. No coração, contudo, uma luz trêmula brilhava. Era o cintilar de uma estrela: a estrela da esperança. Estrelas são pontinhos distantes, solitários, cuja luz não ilumina, cujo calor não aquece. Estrelas são pontinhos mágicos que lampejam na solidão da alma. Sua luz nos conforta e nos consola em noites sombrias e sem luar.

Chovia em São Paulo naquele fim de tarde. Adiante, dois desafios que se fundiam num só: Encarar os quinze quilômetros da
São Silvestre e os trezentos e sessenta e cinco dias de um ano novo, desconhecido. Ambos logo teriam início e eu estava ali, presente: tênis no pé, lamparina da esperança na mão; pronto, ou quase pronto, para a largada.

Soa a buzina. É dada a largada. A corrida começa. A corrida começa?! Continuo parado.

Aos poucos, a massa humana começa a se mover, lentamente, ora para a frente, ora para os lados, sem coordenação. A água que caía do céu se empoçava na terra. Asfalto molhado e escorregadio: perigo à vista! Empurra-empurra: muita gente e pouco espaço. Sufoco: afobação e medo. Pernas quase paradas, coração acelerado.


Estou ali. Perdido. Por um instante não consigo me encontrar. Sou um pingo d'água na enxurrada de gente que flui morosamente pela Paulista. Sou arrastado pela multidão acéfala. Perdi a identidade, o controle, a independência, a vontade própria, o espaço onde pôr o pé. Sou conduzido, empurrado, amassado. Não existe eu, existe massa.

Na cabeça, quase um mantra: "não cair, não cair, não cair, resistir"! Ouço a voz da esperança, sussuro quase abafado pelo alarido do tropel, que me segreda palavras de ânimo, mais ou menos assim:

"Agüente aí, guerreiro,
esse momento há de passar.
Agüente firme, guerreiro,
O alívio não tarda em chegar".

Ao ouvir essa voz, em silêncio respondo:

"Doce voz da esperança,
voz de mãe que espanta o medo,
faz brotar no coração
um único e forte desejo:
sobreviver na Paulista,
superar a Brigadeiro".

Concluí mais uma
São Silvestre, desta vez sem tanta empolgação – presságio do ano porvir?... O corpo úmido e frio pedia abrigo. Afastei-me aos poucos da turba, despedi-me da Paulista, respirei fundo e olhei pra frente com confiança, levando no peito a medalha e no coração a esperança.

Hoje olho pra trás. O ano de 2007 não correu, voou. Os dias competiram entre si para saber qual deles era o mais presto em passar. As horas se irmanaram em rotina e ficaram de tal modo semelhantes, que, agora, ao tentar relembrá-las, não as consigo distinguir. Perderam-se no rio da mesmice. Enquanto escrevo, lanço o anzol nesse rio e de lá tento pescar algumas recordações. Ano difícil, de duro aprendizado. Assim o resumo:

A esperança não me abandonou,

nem eu a ela.
Andamos juntos.
Sempre sós,
de mãos dadas.

Algumas vitórias.
Algumas conquistas.
Algumas comemorações:

Ilhas solitárias de doce prazer,
no salgado mar das adversidades.

Esperança...

Algumas derrotas.
Alguns fracassos.
Algumas lágrimas:
Gotas vertidas no silêncio da alma para untar o solo árido da vida.

Esperança...

Algumas expectativas.
Alguns sonhos.
Alguns desejos:
Suspiros da alma que falam de vazios a serem preenchidos.

Esperança...

Muito labor.
Muito empenho.
Muita fé:
Confiança na vida para dar um passo adiante, apesar do medo.

Esperança
sempre!
Esperança:
Certeza sempre incerta de que o amanhã nos dará o que o hoje nos negou.

E assim despeço-me de 2007 e encaro 2008:
São Silvestre? Não.
Esperança? Sim. Sempre!
Acompanhe as postagens desse blog por meio de RSS 2.0 feed. Você pode deixar uma resposta ou comentário de seu próprio site.

3 comentários:

On 31 de dezembro de 2007 16:03 , Cleiton Heredia disse...

Sou um leitor assíduo de seu blog e de todos os textos que você escreveu até o momento, este foi o que mais me emocionou.

Eu também estava lá, todo molhado, só que no fim da fila. E acho que foi por causa disto que acabei não ouvindo a voz da esperança (de onde eu estava ela podia até berrar).

Porém, quem estava mais atento me disse que ouviu ela dizer:

"Aguenta aí, ô vacilão,
quem mandou largar no finalzão.
Agora vê se põe o pé na estrada,
e começa ultrapassar esta macacada".

Se eu tivesse ouvido, poderia responder:

"Doce voz da esperança,
Me espera lá na metade do caminho,
com um gatorade bem geladinho.
E quando começar a subida da brigadeiro,
me separa um carbogel bem maneiro.
Porque quero subir por ela feito um avião,
para na Paulista receber meu medalhão".

Bem, agora já são 16:00 horas e, como o tempo virou, estou pensando seriamente em ir até a Paulista para fazer minha participação clandestina na São Silvestre.

Vou ou não vou?
Eis a questão!

Enquanto não decido, fico por aqui na esperança e lá estar.

Feliz 2008!

 
On 31 de dezembro de 2007 23:53 , Cleiton Heredia disse...

Passei por aqui mais uma vez, faltando exatamente 30 minutos para a virada do ano, só para dizer que EU FUI!

Saí de casa às 16:30h junto com meu filho Filipe, crente que a largada seria, como sempre, às 17:00h. Como não tinha trânsito chegamos em 20 minutos, mas já conscientizados pelo locutor do rádio que a largada já havia sido dada.

São Silvestre é uma corrida interessante, pois mesmo chegando atrasados e parando o carro a 1,5km da largada, quando apontamos na Paulista ainda havia muitos corredores ainda largando.

Completei a prova lado a lado de meu filho em 2 horas (andamos em vários momentos), mas não estávamos nem aí para o tempo, pois o que queríamos era mesmo é se divertir.

E querem saber mais, esta foi a São Silvestre mais prazeirosa de todas as edições que já participei.

Bem, vou parando por aqui, pois faltam poucos minutos para a virada, e vou me reunir ao resto da família para receber 2008 COM MUITA ESPERANÇA.

Mais uma vez FELIZ 2008!

 
On 9 de janeiro de 2008 22:58 , Enéias disse...

Acompanhei a corrida lá de Ubatuba. Quem sabe eu não eleja 2008 como o ano voltado à preparação física?

Belo texto!

 
Related Posts with Thumbnails