segunda-feira, junho 02, 2008 | Autor: Ebenézer Teles Borges
Pois é... não quis ouvir a voz do corpo; acreditei em superação; dei uma de teimoso e paguei caro.

Quais eram esses sinais ?

1. O corpo ainda reclamava dos 25 km corridos uma semana antes;
2. A panturilha estava sensível;
3. Sentia fortes dores de cabeça, na véspera;
4. Não consegui dormir à noite;
5. Levantei-me de madrugada, cansado de rolar pela cama e ainda com a cabeça dolorida.

Dilema Shakespeareano (essa palavra existe?): "Correr ou não correr? ". Falou mais alto a teimosia. Resolvi correr.

Chovia... Fazia um frio terrível... O corpo pedia repouso; a cabeça exigia movimento. Entrei no carro e parti para o Ibirapuera.

Mais problemas:

1. Quase uma hora na fila aguardando o ônibus da organização que me levaria até o local da largada. Fiquei ensopado. Já não sentia os dedos dos pés e das mãos.
2. Cheguei à arena da largada faltando 10 minutos para início da corrida. Mal coloquei o pé na área reservada para os maratonista e ouvi um "bum". Foi dado o tiro de largada.
3. Não fiz aquecimento nem alongamento.

O congestionamento humano era imenso. Primeiro caminhei, depois, ao passar pelo tapete de largada, comecei a trotar, sempre atento à panturrilha. Nem percebi quanto atravessei a nova Ponte Estaiada. Estava mais preocupado com a barreira humana à minha frente e com a turma que iria correr apenas 5 e 10 km e que gritava "abram! abram!".

No km 3 a panturilha esquerda abriu o bico. Ainda faltavam 39 km. Correr ou não correr? Teimei em prosseguir correndo. Meus batimentos cardíacos estavam na casa dos 173 quando não deveriam passar dos 160. A noite mal dormida começava a cobrar o seu preço. O corpo precisava de descanso e não de uma desgastante maratona.

Km 1 ao 5 (em 0:27:13h) – Os batimentos cardíacos continuaram elevados. A dor na panturrilha aumentava. O desconforto crescia. A teimosia também. Continuei - sofrendo e correndo.

Km 5 ao 10 (em 0:26:33h) – As dores eram intensas. Não pensava mais na prova e sim em alguma estratégia para lidar com a dor. O ritmo já não era constante. Não queria desistir, mas não havia condições físicas para prosseguir. No km 11 senti uma forte fisgada na outra panturrilha. O bom senso recomendava uma parada imediata, mas foram necessários mais quatro quilômetros para que a cabeça cedesse aos apelos do corpo.

Km 10 ao 15 (em 0:26:26h) – Fiz o possível para continuar, mas não dava mais. Dei-me por vencido. Parei após apenas 15 km. Abaixei a cabeça, como se estivesse envergonhado de meu ato, e voltei, lentamente, caminhando do Villa Lobos até o Ibirapuera, sentindo muito frio. Às vezes garoava. Às vezes ventava. Acompanhava-me a dor da desistência que só não era maior que as dores nas panturrilhas.

Hoje, dois dias depois, ainda sinto dificuldades em caminhar. O jeito agora é parar por uns dois ou três meses e depois recomeçar, lentamente.

Que fiasco!



Referências:

1. Foto: Site Runner Brasil - http://www.runnerbrasil.com.br/
Categoria: |
Acompanhe as postagens desse blog por meio de RSS 2.0 feed. Você pode deixar uma resposta ou comentário de seu próprio site.

3 comentários:

On 3 de junho de 2008 09:07 , CONVICTOS OU ALIENADOS? disse...

Essa questão da panturrilha deve ser algo de família. Deixei de caminhar por isso.

O médico me disse que meu problema deve ser vascular...

Não seria o seu caso?

Quanto à corrida: acredito que agiu certo, em pelo menos tentar. Eu teria feito o mesmo.

SDS

 
On 3 de junho de 2008 11:26 , Cleiton Heredia disse...

Não se sinta mal por isso, pois mais vale o fracasso de alguém que pelo menos tentou realizar algo, do que a vergonha daqueles que, por medo ou preguiça, nunca tentaram nada.

E mais, fracasso é uma palavra muito negativa; vamos chamar isto de uma desistência estratégica, nocaute técnico ou abandono de prova por falha mecânica.

Espero que se recupere o mais breve possível.

Parabéns por ser um guerreiro.

 
On 4 de junho de 2008 10:26 , Edleuza disse...

Pelo que conheço a seu respeito, ter participado dessa maratona, com certeza, foi a melhor escolha. DESISTIR não faz parte de seu perfil, nem de seu vocabulário.
Parabéns!

 
Related Posts with Thumbnails